Reforma cidadã

por acm

Diante da explosão das manifestações, as autoridades se preocupam agora em dar respostas para a sociedade. A presidente Dilma reuniu governadores e prefeitos para anunciar pactos pela melhoria dos serviços públicos, o Congresso Nacional começou a votar propostas engavetadas há anos e o Judiciário determinou a prisão de um deputado condenado por peculato e formação de quadrilha. Ainda que tardias, essas reações demonstram um reconhecimento do poder das ruas e uma aflição com o que pode vir a ocorrer no País caso não seja realizada uma verdadeira transformação social. O importante é garantir que essa mudança aconteça de fato, dentro da legalidade.

Para isso, o caminho mais adequado continua sendo a reforma política, pelo simples motivo de ser o instrumento capaz de equacionar as relações entre cidadão e Estado. O distanciamento imposto pelos governantes ao povo está na raiz do problema atual. A população se sente, com razão, abandonada pelo Poder Público frente à ineficiência dos serviços mais básicos, como transporte, educação, saúde e segurança. O descrédito aumenta quando os responsáveis por lutar pelos direitos da sociedade são os mesmos flagrados nos escândalos. Deve falar mais alto a voz do cidadão e não a empresa responsável pelo financiamento da campanha. No geral, o interesse particular não pode prevalecer sobre o interesse público.

O brasileiro entende que se o formato de escolha dos políticos não se modificar, assim como o sistema de coligação, de formação de partidos e de voto proporcional, tudo permanecerá como sempre foi. Esse não é o desejo. A maneira como se dará esse processo não será um problema, desde que a solução encontrada obedeça os preceitos constitucionais. Preservadas essas garantias, é fundamental reformar o País. E ninguém tem mais legitimidade para fazer a reforma política do que o próprio cidadão. Quanto a isso, não resta nenhuma dúvida.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 01/07/2013

Brasília, 1º de julho de 2013.

Adelmir Santana – Presidente da Fecomercio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.