Preservar o patrimônio

por acm

Adelmir Santana

Presidente da Fecomércio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal.

Nenhum tipo de interesse, muito menos o especulativo, pode estar acima de Brasília. Neste caso, quem defende a cidade são os seus cidadãos, as suas instituições, os órgãos de preservação do patrimônio, a universidade e os veículos de comunicação.Se a sociedade brasiliense, representada por esses grupos, está contra a aprovação do atual texto do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico da cidade (PPCub), é inadmissível que o Governo do Distrito Federal ainda insista em aprovar a proposta. O argumento de que a discussão se arrasta há quatro anos é válido, mas não é o suficiente para promover alterações que, em vez de preservar, ameaçam o futuro da capital.

A posição do GDF abre espaço para várias perguntas. A primeira delas: se a proposta foi amplamente debatida, como diz o governo, por que as autoridades não corrigiram os problemas? Somente algumas sugestões foram acatadas. Permanecem no plano a implantação da Quadra 500 do Sudoeste, a construção de edifícios na 901 Norte, a ocupação da orla do Lago Paranoá, a criação de um setor habitacional atrás da Rodoferroviária e a possibilidade de estacionamentos subterrâneos na Esplanada. Nenhum desses projetos é consensual, não se sabe qual impacto eles terão e alguns colocam em risco a qualidade de vida e o título de capital patrimônio da humanidade.

Outra pergunta bastante pertinente é: qual o interesse em aprovar o PPCub agora? Por que o governo não aproveita as discussões para aprofundar o debate? O mais prudente, inclusive, seria interromper o processo de análise no Conselho de Planejamento (Conplan) diante das polêmicas e por falta de embasamento jurídico. Não por acaso, o Ministério Público questiona a composição do órgão, onde o governador é soberano para indicar quem são os seus integrantes.Diante de tudo isso, a intransigência em querer aprovar o plano apenas reforça as suspeitas de favorecimento a interesses políticos e eleitorais. O GDF precisa provar o contrário.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 24/03/2014.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.