O lago é de todos

por acm

O Lago Paranoá é uma parte fundamental do conjunto urbanístico de Brasília. Trata-se não apenas de uma fonte de energia, mas de um patrimônio histórico e ambiental capaz de gerar desenvolvimento para a cidade. Essas características reforçam a minha certeza de que esse meio ambiente é de todos e precisa ser preservado. Vivemos um momento em que a sociedade cada vez mais procura meios para aproveitar a orla, o que é legítimo e bastante positivo. Nesse cenário, considero importante esclarecer alguns mitos para que possamos consolidar a democratização do nosso principal espelho d’água.

É preciso reconhecer, por exemplo, que as autoridades têm se manifestado para facilitar o acesso ao Lago Paranoá. Algumas medidas debatidas recentemente mostram isso. O Governo do Distrito Federal pretende desobstruir as servidões de passagem para abrir pontos de acesso ao lago e seguir um projeto elaborado pelas administrações, que prevê a criação de parques de uso múltiplo, entre unidades de conservação e áreas vivenciais. Alguns são pontos bastante utilizados, como o Piscinão e o Parque das Garças. O intuito é promover a preservação e estimular polos turísticos, esportivos, gastronômicos e religiosos, necessários para fortalecer a economia.

Outra questão que precisa ser esclarecida é sobre o uso e a ocupação dos terrenos na beira do lago. É equivocada a ideia de que os moradores privatizaram a orla. Os lotes foram comercializados pelo Poder Público, possuem escritura e a maioria consta no plano original.

Alguns foram vendidos numa época que os seus limites chegavam, inclusive, a invadir a água. Muitos proprietários também realizaram benfeitorias que reduziram a erosão e aumentaram a permeabilidade do solo. Por tudo isso, acredito que a democratização do lago é possível sem que o direito dessas pessoas seja violado. A regulamentação das áreas e a criação de parques públicos serão ações muito bem-vindas. Alguns foram vendidos numa época que os seus limites chegavam, inclusive, a invadir a água. Muitos proprietários também realizaram benfeitorias que reduziram a erosão e aumentaram a permeabilidade do solo. Por tudo isso, acredito que a democratização do lago é possível sem que o direito dessas pessoas seja violado. A regulamentação das áreas e a criação de parques públicos serão ações muito bem-vindas.

Adelmir Santana – Presidente da Fecomercio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal.

Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 11/02/2013

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.