O futuro está de greve

por acm

O desenvolvimento do Brasil está paralisado há quase dois meses e, por mais surpreendente que possa soar esta afirmação, poucos parecem se importar com isso. Refiro-me à greve dos professores das universidades federais.

O movimento grevista começou em 17 de maio com os docentes, ganhou a adesão dos estudantes e servidores e hoje atinge 95% das instituições públicas de ensino superior. Até agora, milhares de alunos não sabem como terminarão o semestre. Em plena temporada de julho, fica o questionamento: o nosso futuro não depende da educação?

É evidente que sim. Só uma educação de qualidade será capaz de dar dignidade ao povo e romper a desigualdade brasileira, com oportunidades iguais para todos.

Mas como nós atenderemos a essa premissa ou como formaremos cidadãos capacitados para fazer o Brasil crescer sem uma política clara de investimentos em edu-cação? Os professores, em todos os níveis, deveriam estar entre os profissionais mais bem remunerados do país. Infelizmente, não estão.

Esta greve tem como reivindicações principais a reestruturação do plano de carreira, reajuste salarial com incorporação de gratificações e melhores condições de trabalho, além da valorização da qualidade do ensino superior.

São questões sensíveis, que precisam de solução. O Ministério da Educação e o Ministério do Planejamento não podem ficar neste jogo de empurra-empurra de responsabilidades.

Se o impacto do reajuste solicitado não pode ser absorvido pelo Estado, isso não é razão para evitar as negociações. Pelo contrário, o importante é colocar um ponto final na paralisação.

É necessário lembrar ainda que a greve atinge, inclusive, os laboratórios de pesquisa e o atendimento nos hospitais universitários. Além disso, milhares de estudantes, em todo o país, terão as suas formaturas atrasadas, o que implicará em dificuldade de ingresso no mercado de trabalho.

Muitos perderão concursos e oportunidades de emprego por não possuírem o diploma de nível superior. Quem foi aprovado recentemente pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) também tem enfrentado problemas para se matricular nas universidades.

Mais uma vez, a impressão é a de que o prejuízo maior fica com a sociedade. Greves intermináveis e que se repetem ano após ano refletem falta de planejamento por parte do Estado, a inexistência de uma política pública real de valorização do ensino e a intransigência entre as partes envolvidas no processo de negociação.

Por mais que as autoridades repitam e não se cansem de dizer que o futuro do país depende da educação, falar, apenas, não vai garantir o nosso desenvolvimento. Digamos que é preciso estudar melhor essa solução.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 09/07/2012,

Brasília, 09 de Julho de 2012

Adelmir Santana Presidente do Sistema Fecomercio-DF

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.