Lições da iniciativa privada

por acm

Quem atua ou lida com o setor empresarial sabe: a iniciativa privada costuma não perdoar erros. Quando falta algum produto na prateleira de um comerciante, por exemplo, o cliente reclama, com razão. Na maioria das vezes o efeito disso é a perda imediata da venda. Em casos extremos perde-se até o próprio consumidor para a concorrência e a empresa tem a sua credibilidade abalada. Tudo isso está relacionado à gerência e planejamento. E engana-se quem pensa que na esfera governamental a situação é muito diferente. Não é. Na verdade, é ainda mais grave.

No plano privado, trata-se, sobretudo, de satisfazer o cliente com a oferta de um bom produto ou serviço. As empresas investem pesado no relacionamento com o consumidor para se aproximarem do seu público-alvo e obterem assim os retornos esperados em termos de faturamento e imagem. Na administração pública, também é imprescindível cuidar do atendimento. Neste caso, é preciso governar para o povo, com foco no bem estar da coletividade. O interesse público deve vir sempre em primeiro lugar. Na maioria das vezes, inclusive, este deve ser o único interesse em vista.

Quando o cidadão não tem acesso a um sistema de saúde, educação, segurança e transporte de qualidade, ele está sendo, na verdade, mal atendido. Esses serviços, considerados essenciais para qualquer ser humano, não podem falhar ou entrar em colapso, sob o risco de comprometerem a vida de milhares de habitantes. Ao longo de 2011, nós assistimos na esfera nacional e local, a certa inércia na gestão dos aparelhos públicos, além de escândalos de corrupção em convênios firmados com organizações não governamentais para a realização de atividades que são consideradas de obrigação do Estado.

A expectativa para 2012 é a de muitas realizações em todo o Brasil. Não fará mal aos nossos governantes se eles adotarem uma postura mais empreendedora. Para isso, novamente, planejar é preciso. E colocar o plano em prática também. Esperamos que sejam feitas as intervenções necessárias para o País crescer. No Distrito Federal, particularmente, um longo percurso deve ser percorrido. Não precisa necessariamente ser um novo caminho. O que precisa é tirar os projetos do papel e colocar a máquina pública “para andar”.

Quando você observa um negócio bem-sucedido é porque alguém, algum dia, empreendeu de forma corajosa. Nossos governantes devem fazer o mesmo agora. Faço essas observações sem carregar nenhuma bandeira partidária. Encaro como um dever cívico. Quando for o momento, nós também iremos elogiar. Por enquanto, minha posição é crítica, mas sempre em defesa da cidade e do Brasil. Imaginem quando tivermos uma população bem capacitada e uma prestação adequada de serviços. Aí, ninguém segura esse País.

*Publicado originalmente no Jornal de Brasília – 30/01/2012

Brasília, 30 de Janeiro de 2012

Adelmir Santana Presidente do Sistema Fecomercio-DF

 

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.