Janeiro começa com redução no número de famílias endividadas

O primeiro mês de 2017 começou com queda no número de famílias endividadas no Distrito Federal, que passou de 729.847 em dezembro para 725.087 em janeiro (queda de 4,7 mil). O percentual de famílias com algum tipo de dívida na capital do País foi de 77,5%, índice menor do que o registrado no mês anterior (78,1%). É o que mostra a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do DF (Fecomércio). O estudo mostra também uma redução no número de famílias com contas em atraso, que passou de 142.455 para 133.300.

peic

O grande instrumento gerador de dívida continua sendo o cartão de crédito. Do total dos endividados, 89,6% se declararam comprometidos nessa modalidade. Dentre as famílias com contas em atraso, 40,2% disseram ter condições de quitar suas dívidas totalmente e 53,5% afirmaram ter condições de quitar o montante parcialmente.

Para o presidente da Fecomércio, Adelmir Santana, as famílias brasilienses se organizaram no final de 2016 para pagar o máximo de dividas possíveis com o intuito de poder ter condições de quitar contas típicas de inicio do ano, como material escolar, IPVA, entre outros gastos. “As condições econômicas do país ainda estão vulneráveis, não se pode falar em recuperação das famílias com contas em atraso, pois a inflação continua alta, o crédito escasso e o desemprego cresce”, pondera Adelmir. Ainda segundo o presidente da Fecomércio, 4.120 famílias brasilienses disseram não ter condições de pagar a dívida.

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) foi realizada com uma amostra de 600 famílias. O estudo serve para orientar os empresários dos setores de Comércio, Serviços e Turismo que utilizam o crédito como ferramenta estratégica para o incremento das vendas, uma vez que permite o acompanhamento do perfil de endividamento do consumidor e sua percepção em relação à capacidade de pagamento.