Intenção de investir em estoque cresce entre os comerciantes brasileiros

Os comerciantes de todo o Brasil estão investindo mais em estoque de mercadorias. De acordo com estudo divulgado nesta quarta-feira (24), pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), o Índice de Investimentos em Estoques atingiu 84,5 pontos no mês de maio, registrando um aumento de 1% em relação a abril e de 2,8% na comparação com o mesmo período do ano passado. Esse resultado representa o segundo crescimento consecutivo na comparação anual. A última vez que esse índice teve aumentos seguidos foi em janeiro e fevereiro de 2014.

atacado

Entre os comerciantes que mais mostraram interesse em renovar produtos nas prateleiras estão os do ramo de bens duráveis, que comercializam eletrônicos, eletrodomésticos, móveis, óticas, materiais de construção e concessionárias de veículos. A intenção de investimentos em estoques deste grupo de lojistas cresceu 4,6%, na comparação com maio de 2016.

A divisão econômica da CNC informa que apesar do crescimento apontado, o índice permanece abaixo dos 100 pontos, na zona de percepção negativa. Entretanto, a entidade diz que com o processo de redução das taxas de juros e do custo do crédito é natural que aumentos expressivos na intenção de investir sejam observados entre os varejistas, principalmente os dependentes das vendas a prazo.

O Índice de Investimentos em Estoques é um dos itens que compõem o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), indicador antecedente apurado todos os meses exclusivamente entre os tomadores de decisão das empresas do varejo, cujo objetivo é detectar as tendências das ações do setor do ponto de vista do empresário. A amostra é composta por aproximadamente 6 mil empresas situadas em todas as capitais do País. O Índice de Investimentos em Estoques capta a percepção dos comerciantes sobre o volume das mercadorias nas lojas diante da programação de vendas, em que os comerciantes respondem se os estoques encontram-se abaixo do adequado, adequado, ou acima do adequado.