O empresário do comércio é, antes de tudo, um visionário. Muitas vezes, é ele o primeiro a se instalar em determinadas localidades. Pode ser numa rua sem asfalto, num bairro sem transporte público ou numa cidade sem escolas e hospitais. Mesmo assim, se existirem clientes, haverá um restaurante, uma farmácia ou uma lojinha de roupas. O empreendedor faz isso porque acredita no seu negócio. Ele confia na capacidade de transformar um desafio em oportunidade. Em última instância, a sua maior preocupação é atender bem o consumidor para ter sucesso em sua empreitada.

Esse é um círculo saudável para a economia, principalmente quando existe interesse por parte do Estado em fazer a roda girar. Com a instalação de comércios e a oferta de variados serviços, a cidade que antes era vazia ganha vida, se valoriza. O dinheiro arrecadado pelo governo pode ser revertido em benefícios para a população e para o próprio empresariado. Os problemas começam quando o Poder Público, ao invés de incentivar, passa a colocar obstáculos para o setor produtivo. A burocracia e as elevadas cargas tributárias funcionam como barreiras para sobrevivência dos pequenos negócios, ampla maioria no País.

É preciso reconhecer o empreendedor do comércio como um promotor do desenvolvimento. Algumas das cidades mais carentes do Brasil têm se transformado graças a força do setor terciário. Hoje, somente no Distrito Federal, as atividades de comércio e serviços respondem por 93% do PIB privado e por mais da metade da população economicamente ativa. Os homens e mulheres responsáveis por liderar essa mudança estão de parabéns. Enquanto entidade representativa do segmento, a Fecomércio homenageia os seus filiados pelo Dia do Empresário do Comércio – em 16 de julho – e exige que o Estado os reconheça da mesma maneira. Se esse reconhecimento vier com a realização de uma verdadeira reforma tributária e administrativa, melhor ainda.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 15/07/2013

Brasília, 15 de julho de 2013.

Adelmir Santana – Presidente da Fecomercio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal.