Futuro do Distrito Federal

por acm

Brasília acordou na manhã de hoje com novas ocupações urbanas no horizonte, ônibus quebrados nas ruas e alguns carros a mais em seu já engarrafado trânsito. Ao cair da noite, certamente, a capital da República dormirá temerosa pela falta de leito nos hospitais, preocupada com um possível novo sequestro relâmpago e assustada diante do avanço do tráfico de drogas. Mas o que é preciso para mudar essa realidade? Não existem soluções prontas, tampouco medidas paliativas capazes de resolver esses problemas. Antes de tudo, é preciso cuidar do nosso patrimônio e repensar a cidade.

Os governos que se sucederam na condução do Distrito Federal estiveram quase sempre envoltos com a necessidade de resolver questões pontuais. As sucessivas crises políticas contribuíram para isso. Diversos planos foram elaborados como foco nas próximas eleições e não no futuro da capital. Poucos conseguiram deixar um legado de programas capazes de garantir a preservação da qualidade de vida do brasiliense. Infelizmente, não podemos mais dizer que temos uma cidade sem engarrafamentos, com pouca violência e onde a educação, o transporte e a saúde pública funcionam com qualidade.

A sensação agora é a de morar numa cidade nova que não se cuidou e envelheceu rapidamente. Brasília passou a sofrer das muitas mazelas que atormentam as grandes metrópoles. É claro que isso também foi reflexo do crescimento urbano. O Distrito Federal tem hoje quase 3 milhões de habitantes. A economia também se transformou. Temos um comércio pujante e um setor de serviços consolidado, assim como uma indústria mais avançada. É lógico que isso é positivo, mas até o desenvolvimento econômico precisa ser sustentável, com geração contínua de emprego e renda.

A falta de ordenamento é outro problema sério que atinge a nossa cidade em diversas frentes, tanto na área territorial quanto ambiental. Todos esses fatores justificam um planejamento que aponte diretrizes para as próximas décadas e um profundo debate sobre os desafios que Brasília enfrentará nos anos a seguir.

Essa discussão, eu acredito, não deve depender de governo ou de partido político. Ela pode ser travada pela sociedade em diversos fóruns, como associações de bairro ou entidades de classe, e pautada pelo cidadão, inclusive nas redes sociais.

A Federação do Comércio do DF, motivada por esse espírito, pretende reunir a partir de setembro, em uma série de encontros, pensadores, especialistas e outros defensores da cidade para refletir sobre o futuro de Brasília. Daremos voz aqueles que se preocupam com a capital. O importante é que sejam elaboradas soluções para balizar políticas estruturais e modelos de gestão eficientes. Em minha opinião, ninguém tem mais legitimidade do que o próprio brasiliense para colocar isso no papel. E esse trabalho pode começar hoje, de olho no amanhã.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 3/09/2012,

Brasília, 3 de Setembro de 2012

Adelmir Santana Presidente do Sistema Fecomercio-DF

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.