Emprego temporário

por acm

Adelmir Santana – Presidente da Fecomércio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal.

O último trimestre do ano é tradicionalmente o melhor para o Comércio brasileiro. As datas comemorativas e o pagamento do décimo terceiro salário são alguns dos fatores que movimentam a economia neste período. Se comparado aos anos anteriores, o desempenho tem sido pior em 2013, mas os empresários confiam na possibilidade de reverter esse quadro, principalmente com as vendas de novembro e dezembro. Para tanto, apostam em contratações temporárias e nas tradicionais promoções de fim de ano.

Pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio mostra que quase a metade dos empresários do Comércio do Distrito Federal realizará contratações temporárias. De acordo com o levantamento, 41,8% dos comerciantes farão uso desse tipo de mão de obra. Em 2012, na mesma época, o índice foi de 54%. A pesquisa ouviu 256 lojistas de 12 áreas diferentes. Significa dizer que entre 6 mil e 8 mil vagas temporárias devem ser abertas. O estudo mostra que os principais critérios de seleção na hora de conquistar o posto são: disponibilidade de tempo integral, alguma experiência para exercer a função e perfil proativo.

O trabalho temporário pode se transformar em definitivo. Isso dependerá, sobretudo, da postura do funcionário. O mais importante para quem almeja um emprego fixo é a dedicação e o espírito empreendedor. Agir como o próprio dono do negócio, com respeito máximo ao cliente, é uma grande qualidade. A capacidade de inovar e solucionar problemas é o que move o ambiente produtivo. Nesse contexto, o fim do ano se torna um período importante não apenas para as empresas aprimorarem sua capacidade de atendimento, mas para os cidadãos que buscam uma oportunidade no mercado de trabalho. Se o desempenho das vendas for positivo, mais de 15% dos temporários podem ser efetivados e o Comércio fechará 2013 com um crescimento entre 4% e 5%. É um desempenho baixo, porém melhor do que o previsto.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 11/11/2013.

Brasília, 11 de novembro de 2013.