Empreender para incluir

por acm

Ter o próprio negócio ainda é um sonho para milhares de pessoas no Brasil. O que estes brasileiros desejam de verdade, mais do que virar chefe, é reconhecimento. Isso se traduz em liberdade para empreender e, principalmente, em inclusão social. Não é um desejo qualquer. Nós temos que lutar e cobrar para que a cultura do empreendedorismo se torne uma realidade em nosso país e não seja apenas uma fantasia ou ilusão.

Hoje, o Sebrae no Distrito Federal dá mais um passo em direção a formalização dos trabalhadores brasilienses. Começa nesta segunda-feira e vai até sábado, em nove cidades do DF, a Semana do Empreendedor Individual. A expectativa é a de que durante esse período sejam realizados 4,4 mil atendimentos. Os benefícios são muitos.

O empreendedor individual, eu não me canso de explicar, é a pessoa que trabalha por conta própria e se legaliza como pequeno empresário. Para se enquadrar nessa categoria é necessário faturar no máximo até R$ 60 mil por ano ou R$ 5 mil por mês e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular.

Defendo esse mecanismo, sobretudo, por acreditar no empreendedorismo como gerador de desenvolvimento e por ter sido o relator da Lei Complementar nº 128, que criou essa figura legal.

Quando ocupava uma cadeira no Senado, lutei pela aprovação dessa matéria para que nós conseguíssemos promover uma desoneração tributária, a redução da burocracia e o estímulo à abertura e legalização de empresas. Deu certo. Por essa legislação, mais de 400 profissionais em situação informal – como sapateiros e costureiras, por exemplo – agora podem se legalizar. Quando a pessoa se torna um empreendedor individual ela passa a ter, principalmente, um CNPJ, o que facilita a abertura de conta bancária, a obtenção de empréstimos e a emissão de notas fiscais.

Além disso, o pequeno empresário é enquadrado no Simples Nacional e fica isento dos tributos federais, como Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL. O único custo da formalização é o pagamento mensal de R$ 27,25 (INSS) e mais uma pequena quantia de R$ 5 ou R$ 1, dependendo se a atuação é como prestador de serviço ou no ramo do comércio e da indústria. Com essas contribuições, o cidadão tem acesso a auxílio maternidade, auxílio doença e aposentadoria, entre outros benefícios.

O Distrito Federal tem atualmente mais de 48 mil empreendedores individuais formalizados. É um contingente expressivo de pessoas que saíram do mercado informal e passaram a contribuir com o Estado. Destes, 94% recomendariam a formalização.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 02/07/2012

Brasília, 02 de Julho de 2012

Adelmir Santana Presidente do Sistema Fecomercio-DF

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.