Empreendedor do comércio

por acm

O comércio foi o setor mais procurado pelos empreendedores individuais registrados em 2011, como mostra levantamento do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Na prática, isso significa não só a entrada de novos empreendedores no mercado de trabalho, mas também a legalização de trabalhadores que antes pertenciam à informalidade. No Distrito Federal, 34,6 mil pessoas se registraram no ano passado como empreendedores individuais. Isso coloca o DF em quarto lugar entre os municípios com maior número de inscrições no programa.

Ainda conforme a divulgação, as atividades mais procuradas para registro estão ligadas ao comércio varejista de vestuário e acessórios. Os empreendedores individuais também se registraram como cabeleireiros e donos de lanchonetes, entre outros. Esse fato demonstra a vocação do País para os setores de comércio e serviços. Em Brasília, particularmente, essa inclinação é ainda mais forte, principalmente em razão de a capital concentrar o maior Produto Interno Bruto per capita do Brasil e apresentar um expoente mercado interno de 2,5 milhões de habitantes. Tudo isso ajuda a aquecer o comércio.

Como propulsores da economia brasiliense, os micro e pequenos empresários, assim como os empreendedores individuais, necessitam de uma série de medidas para expandirem os seus negócios. Uma das mais importantes seria a desburocratização. Os pequenos e microempreendedores ainda encontram na burocracia um grande obstáculo.

Outra questão seria a facilitação, por parte do governo, da participação das pequenas empresas como fornecedores nas compras do Estado, dividindo o montante das compras em parcelas menores. Isso está na lei, mas não é respeitado. Essa facilitação permitiria a participação de pequenas empresas no processo e representaria um forte estímulo para a economia e sustentabilidade das mesmas.

Já no que se refere ao empreendedor individual, a maior divulgação e esclarecimento quanto aos benefícios do registro e um investimento maior na capacitação dos novos empresários seriam medidas eficazes. A facilidade de acesso ao microcrédito também é uma questão a ser mais trabalhada.

A aplicação de tais medidas contribuiria sobremaneira para o fortalecimento e crescimento do número de empreendedores individuais no DF, bem como de micro e pequenos empresários. Se conseguirmos implantá-las ainda este ano certamente ocuparemos a primeira posição na próxima lista de registro de novos empreendedores.

*Publicado originalmente no Jornal de Brasília – 09/01/2012

Brasília, 09 de Janeiro de 2012

Adelmir Santana Presidente do Sistema Fecomercio-DF

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.