Desafios para a Asa Sul

por acm

O comércio tem encontrado dificuldades para crescer na Asa Sul, principalmente na W3. Além dos entraves brasileiros de sempre, como carga tributária elevada e excessiva burocracia, outros problemas particulares da capital da República têm agravado a situação. O alto preço dos aluguéis, as complicações para obtenção de alvarás e a falta de estacionamento nas quadras são alguns deles. Se nada for feito, o prejuízo irá além do fechamento de lojas. A geração de emprego e renda será afetada e Brasília corre o sério risco de encerrar um dos capítulos mais importantes de sua história.

Para quem não sabe, após a inauguração da capital, em abril de 1960, a W3 Sul tornou-se o centro econômico do Distrito Federal. Lojas tradicionais que existiam na Cidade Livre migraram para lá. Estabelecimentos novos também surgiram, com suas fachadas voltadas para a via. Nasceu assim a primeira real avenida de Brasília, com ampla circulação de pessoas. Não demorou para que o local se tornasse sinônimo de comércio e do espírito empreendedor brasiliense, cultura que acabou atraindo milhares de brasileiros para vivenciarem o sonho de Juscelino Kubits-chek.

Hoje, a W3 Sul contabiliza inúmeros pontos desocupados. O cenário é de uma avenida mal conservada, com estabelecimentos abandonados, lojas pichadas e sujeira para todo lado. Os bravos comerciantes que ainda resistem e permanecem no local não conseguem, sozinhos, mudar essa realidade e enfrentam a letargia do governo do Distrito Federal, que nada ou muito pouco faz para revitalizar a rua. Projetos urbanísticos não faltam, com incentivo à promoção da cultura, do lazer e do turismo. Em outra frente, os empresários não têm liberdade para reformarem nem seus próprios estabelecimentos.

A desaceleração do consumo diante da crise mundial e das medidas macroeconômicas restritivas também impõe dificuldades para os comerciantes de algumas entre quadras da Asa Sul. Nessas áreas – espaçosas e bem localizadas -, assim como na W3, o preço dos alugueis é muito alto e nem todos os comerciantes conseguem manter suas contas no azul em tempos de consumo restrito. A despeito das medidas que precisam ser realizadas pelo governo, como ampliação dos estacionamentos e garantia de segurança para os lojistas, o caminho passa necessariamente pela tarefa de inovar.

É preciso estar comprometido com a inovação para sobreviver no mercado. E no momento atual, quem investe no comércio eletrônico tem tido bons resultados. Ano passado, esse segmento faturou R$ 18,7 bilhões, 26% a mais do que em 2010. Essa modalidade ampliou as chances de novos negócios, agilizou a venda e estimulou a competitividade. Em resumo, se o seu cliente não vai até você na frequência desejada, experimente fazer o contrário e leve até ele a sua marca. O importante é driblar as adversidades. Devemos ficar atentos: uma luz amarela já acendeu.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 27/08/2012,

Brasília, 27 de Agosto de 2012

Adelmir Santana Presidente do Sistema Fecomercio-DF

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.