Construtores de Brasília

por acm

Adelmir Santana

Presidente da Fecomércio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal.

Foram muitos os responsáveis por construir Brasília. Cada pioneiro teve o seu papel de destaque na realização dessa obra e deve ser reconhecido por isso. Um dos detalhes mais surpreendentes dessa epopeia é que o projeto de interiorização do Brasil e de construção da nova capital não surgiu nos anos 1950, como se pode imaginar. Foi um sonho, verdadeiramente, sonhado por muitos e vivido em diferentes momentos da história. Divulgar esse fato, além de homenagear quem acreditou nesse ideal, talvez seja o grande mérito da exposição “Construtores de Brasília”, concebida pelo Serviço Social do Comércio no DF.

Ao longo de painéis sinuosos, que simulam os traços da cidade, o visitante pode conhecer a biografia de homens e mulheres que um dia vislumbraram a capital da esperança e acompanhar a evolução de Brasília. Dividida em três temas visionários, legisladores e edificadores, amostra começa com Marquês de Pombal a quem é atribuída a ideia, formulada ainda em 1761, de fazer do Rio de Janeiro apenas uma capital provisória e levantar no interior uma cidade nova e se encerra com os candangos, passando por nomes como Hipólito da Costa, José Bonifácio, Lauro Muller, Luiz Cruls, Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, entre outros personagens.

É muito interessante perceber que várias pessoas tiveram a mesma visão em momentos distintos. E é mais emocionante ainda ver que, com a bênção de Dom Bosco, com a luta dos Inconfidentes e com a coragem de Juscelino Kubitschek – também retratados na exposição – esse sonho se tornou realidade. Localizada na área externa do Museu da República, a mostra ganha ainda mais relevância devido à realização da Copa do Mundo. Para beneficiar a maior quantidade de pessoas, os textos foram escritos em português, inglês e espanhol e a visitação ficará aberta 24 horas por dia até 3 de agosto. Com mais essa iniciativa, o SESC-DF espera ajudar a transformar a nossa sociedade, sobretudo com ações sociais nas áreas de educação e cultura.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 23/06/2014.