Comércio brasileiro registra queda em março, afirma IBGE

O comércio varejista brasileiro recuou pela segunda vez seguida. No mês de março a queda foi de 1,9%, na comparação com fevereiro. É o que diz estudo divulgado nesta quinta-feira (11), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a entidade, foi o pior resultado para o mês em 14 anos, quando a queda foi de 2,5%.

 No primeiro trimestre deste ano, o comércio acumula uma queda de 3%. Nos últimos 12 meses a queda foi de 5,3%. A gerente de Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, destaca que o desemprego influenciou o resultado ruim, já que a desocupação no país é a maior desde 2012, fazendo com que a renda das famílias diminua.

 Na comparação com março de 2016, 17 das 27 unidades da federação apresentaram resultado negativo no volume de vendas, com destaque para Goiás (-17%), Distrito Federal (-10,3%), Roraima (-9,5%), São Paulo e Espírito Santo, ambas com -8,9%.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.