Combate à pirataria

por acm

Adelmir Santana – Presidente da Fecomércio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal.

Comprar produtos piratas, para algumas pessoas, é apenas um pequeno desvio de conduta, um deslize. Para outras, nem isso. Elas entendem como atitude normal e até mesmo positiva. Imaginam que esse ato vai gerar emprego e contribuir para o sustento de cidadãos mais pobres. É um ledo engano. Todas essas premissas são falsas, tão falsas quanto os tênis, as bolsas e os DVDs que imitam artigos de marca. Pirataria é crime. Quem vende e compra comete um grave delito, além de alimentar organizações criminosas.É preciso conscientizar os consumidores e os próprios órgãos públicos para o problema no Brasil.

Somente no ano passado, mais de 3 milhões de pacotes de cigarros falsificados foram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal. Somou- se a essas apreensões uma extensa lista de outros produtos, inclusive 671 mil unidades de medicamentos. Imagine o risco de ingerir uma substância fora dos padrões de saúde e sem nenhum controle de qualidade? É o que acontece quando se consome artigos piratas. O efeito é devastador. Para a economia também. O contrabandista não paga impostos, não contrata funcionários com carteira assinada e tampouco gera riquezas para o Estado. Isso corrói o desenvolvimento de uma nação.

As fábricas clandestinas apenas geram trabalho escravo e contrabando. A concorrência desleal com o Comércio regular resulta em lojas fechadas e prejuízo para a indústria nacional. Até investimentos o País perde. Ninguém deseja colocar dinheiro em uma nação onde a propriedade intelectual não é respeitada ou onde falta segurança jurídica. Desde que comecei a fazer parte do Conselho Nacional de Combate à Pirataria e Delitos Contra a Propriedade Intelectual (CNCP) tenho sido testemunha ocular do trabalho do presidente do órgão, Flávio Caetano, e de seus integrantes na tentativa de mudar esse panorama. Estamos no caminho certo, mas o desafio ainda é grande. É preciso combater a pirataria e eliminar essa cultura da ilegalidade.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 07/10/2013.

Brasília, 07 de outubro de 2013.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.