Com apoio da Fecomércio, associação do DF atua para dar transparência aos gastos do governo

O presidente do Observatório Social de Brasília, Antonio Barros, falou um pouco sobre a atuação da entidade e a importância da transparência nos gastos públicos durante a reunião mensal de diretoria da Fecomércio, realizada nesta terça-feira (25). A associação sem fins lucrativos é mantida por uma série de parceiros, entre eles a própria Federação do Comércio. Antonio Barros destacou que os principais objetivos da instituição são o de contribuir para que haja maior transparência na gestão pública, fomentar o controle social dos gastos públicos, promover a educação fiscal e incentivar a atividade de micro e pequenas empresas no Distrito Federal, por meio da democratização das compras públicas.

“Os observatórios sociais são associações civis, totalmente apartidárias, formadas por cidadãos e entidades unicamente interessados em contribuir para o bom uso dos recursos públicos. Nós auxiliamos os governos a realizarem suas funções, evitando desvios e promovendo a eficiência nos gastos”, destacou o presidente do Observatório. Atualmente, existe uma rede de observatórios por todo o Brasil. As associações estão presentes em mais de 100 cidades, de 21 estados. No DF, a Fecomércio é parceira da instituição há dois anos. “O observatório é uma organização que está focada na transparência, estamos juntos com eles e atentos a administração pública. Estamos certo de que o trabalho do observatório é muito relevante, na verdade o mundo exige de nós que estejamos abertos a todas as informações”, acrescentou o presidente da Fecomércio, Adelmir Santana.

Durante sua fala, Antonio Barros, falou sobre o trabalho que o observatório faz na Câmara Legislativa e no GDF. Segundo ele, a Câmara tem um orçamento de R$ 600 milhões por ano. “Isso significa que se a Câmara executar todo esse orçamento, que é quase um valor maior do que o orçamento de 97% dos municípios brasileiros, os 24 deputados do DF serão as pessoas mais bem tratadas pelo Estado brasileiro. Nada contra a produção legislativa, e a produção dos deputados, mas nós não podemos coadunar com uma Câmara que custa 600 milhões e que tem 70% da sua produção legislativa considera inconstitucional”, ressaltou. “Nosso propósito não é falar mal, nós somos parceiros, queremos que a Câmara trabalhe melhor, que produza melhor, e que traga efeitos mais benéficos para a sociedade”, concluiu.

Antonio também revelou aos diretores da Fecomércio sobre os gastos da CLDF com publicidade, que têm crescido significativamente desde 2014. Naquele ano, o montante para essa finalidade foi de R$ 11,57 milhões. Em 2015, chegou a R$ 24,92 milhões. E em 2016 foi cerca de R$ 26 milhões.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.