Brasília ameaçada

por acm

Adelmir Santana – Presidente da Fecomércio-DF, entidade que administra o Sesc, o Senac e o Instituto Fecomércio no Distrito Federal.

Preservação.Esse é o conceito a ser analisado nas discussões sobre o planejamento urbano do Distrito Federal. Surpreendentemente, é o que mais tem sido esquecido. Propõe- se alterar, em diversas regiões administrativas, inclusive na área tombada do Plano Piloto, a destinação de alguns lotes e o tamanho máximo de muitas construções. Por outro lado, pouco se fala em implantar, nas cidades ao redor da capital, atividades geradoras de emprego e renda. Se alterações profundas forem realizadas, a tendência é apenas uma: o colapso de Brasília, do trânsito e de seus equipamentos públicos, que serão cada vez mais demandados.

É necessário discutir os estudos de impacto e a finalidade das alterações propostas. Afinal de contas, para que serve uma Lei de Uso e Ocupação do Solo (Luos) e um Plano de Preservação Urbanístico (PPCub) se não for para promover um ordenamento territorial adequado e garantir a qualidade de vida da população? Em sua proposta original, o governo propôs a construção da Quadra 500 do Sudoeste, a criação da 901 Norte, a transformação de clubes na orla em hotéis e até a criação de lotes no canteiro do Eixo Monumental. Após a pressão da comunidade, o governador prometeu suprimir boa parte desses pontos. Restam ainda questões pontuais a serem analisadas, como a construção de um shopping no Lago Sul e o aumento do gabarito em Taguatinga, entre outras.

O mais adequado é que nada seja feito sem o debate com a sociedade e com os urbanistas brasilienses. O cidadão, por sua vez, precisa participar das discussões e abraçar a preservação da cidade. O desenvolvimento urbano não precisa ferir o tombamento do Plano Piloto, muito pelo contrário. Não me canso de repetir: a solução para os problemas do Distrito Federal está fora de Brasília. É preciso investir em pólos econômicos, escolas e hospitais nas regiões carentes do DF, com planejamento e não às pressas ou de forma improvisada, e tudo isso dentro da legalidade.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 25/11/2013. Brasília, 25 de novembro de 2013.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de Política de Cookies e Política de Privacidade para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.